Apresentação

Bem vindo ao meu blog.Aqui serão lidos meus pensamentos e sentimentos decodificados em palavras, então, será um blog íntimo e profundo! A todos uma boa viagem por dentro de meu ser!

sábado, 3 de abril de 2010

Poema: Alguma Luz


Quando as asas estão partidas
E as manhãs escravizadas nas tempestades do céu
E na boca solvendo o gosto amargo de fel
Que restou das despedidas

Quando não se tem mais as soluções
Quando as feridas estão supurando
E no mesmo chão de sangue se vai arrastando
E estamos perdidos e cegos nas tormentas das emoções

Perguntamos por um Deus existente
Nos entregamos a própria sorte
talvez inconscientes, extenuados, ansiando a morte
Das nossas razões inconsistentes

E no meio das turbuLeñcias e da solidão
Olhamos para dentro do nosso ser
Busacndo a força para que possamos ver
Os verdadeiros comainhos do abnegado coração

Não se tem mais as mesmas asas de sempre
Nem o mesmo ímpeto de voar
Estamos dilacerados, atoradoados,incoerentes
tememos a aventura de amar
Estamos encarcerados nos obscuros quartos da nossa mente

E onde estão os deuses, os mestres do todos os dias?
Das longas orações onde se lia
Onde estão seus conselhos,consolos,abraços?
Onde estão eles agora para guiarem nossos passos?

As asas não conhecem mais o vôo sobre o oceano da vida
Estão pesadas, feridas
Escorre o vermelho sobre as plumas brancas que cobrem algum mundo
Submerso no nosso eu mais profundo

O que fazer, para onde ir, onde se esconder?
Não se sabe muita coisa sobre as ações,
Muito menos sobre os súbitos e falsos perdões
Mas o silêncio, talvez , seja a chave para esquecer

Mas ainda pode ser vista nas raras estrelas dessa noite escura
Além do fogo,chamas, lágrimas, gritos, embriaguez
Algum resquício de luz diante de tanta pequenez
Na esperança do amor que alimenta a ave diurna.

Ansyse Ladeia
Salvador, 11 de março de 2008

Sem comentários:

Enviar um comentário